Salvem O Museu dos Coches Petição

Salvem O Museu dos Coches Petição
Petição: Salvem os Museus Nacionais dos Coches e de Arqueologia e o Monumento da Cordoaria Nacional!

sexta-feira, 16 de novembro de 2007

Arte Indo-portuguesa

Cristo Indo-português séc. XVII, em marfim

Por: Jorge Santos Silva

Arte Indo-Portuguesa – Através das crónicas de época, principalmente na descrição do quotidiano feita pelos viajantes, e na análise da Inquisição em Goa, descobre-se a força da cultura, da civilização, pré-existente, muito vinculada às suas próprias crenças. É indiscutível que a essência estética e criativa da arte indo-portuguesa surge de uma miscigenação cultural, derivada de uma presença colonizadora e missionária, ou de meros contactos comerciais, tendo recebido grande influência local.
A isto acrescentemos a força religiosa indiana, inspiradora das suas diversas expressões. Se a arte portuguesa renascentista foi poderosa em muitas de suas expressões e a cultura humanista floresceu principalmente em Lisboa e Coimbra, a arquitectura portuguesa, que já se firmara em relação à construção militar e civil, a sua proposta religiosa firmou-se verdadeiramente na Contra-Reforma, quando eclodiu o estilo barroco no séc. XVIII, expandindo-se rapidamente pelos seus domínios ultramarinos, colocando a sua marca principalmente em Goa.
Quando no início do século XVI, Afonso de Albuquerque chegou a Goa, a presença da expressão plástica do Islão, juntamente com a hindu, era muito visível.
De Portugal chegavam quer por motivos económicos, para efectuar trocas, quer por motivos religiosos, com o objectivo de incrementar os templos cristãos, enumeros objectos de arte. A estes, juntaram-se desde a primeira viagem artistas e artífices do Reino que propiciaram uma contaminação da arte local e dos seus executores, provocando, uma forte miscigenação da arte local. Um dos exemplos a citar é a imagem de S. Rafael que acompanhou Vasco da Gama na sua primeira viagem (hoje no Museu da Marinha) e que serviu mais tarde de modelo a muitos ícones feitos por artistas locais.
A primeira referência a um retábulo pintado na Índia data de 1516 para o vigário de Calicute. Os artistas indianos tentaram adaptar-se ao gosto europeu se bem que estes artistas a quem os cristãos de Cochim encomendaram uma série de pinturas, devessem com certeza ser cristãos convertidos pois “os gentios não deveriam pintar cenas religiosas (por reverencia de Deus)” como cita Pedro Dias em a Arte Indo-Portuguesa. Esta insistência tornou-se letra morta pois o principal pintor de Goa em 1559 era pagão e responsável pelos retratos dos vice-reis. Também as notáveis peças de ourivesaria que integravam o tesouro de D. Manuel eram feitas por artistas locais.
A primeira obra documentada de Rauluchatim é um punhal feito para Afonso de Albuquerque em 1515 por certo o fundador da ourivesaria luso indiana. Trinta anos depois da chegada de Vasco da Gama à Índia a miscigenação estética estava consumada.
Muitos são os exemplos de arte indo portuguesa que hoje podemos apreciar, ao nível do mobiliário, dos têxteis, da imaginária, ou ainda da ourivesaria e da talha dourada. Na imaginária existe grande diversidade de soluções formais, desde a pequena imagem devocional, os oratórios e os “Calvários de Pousar”, ou imagens do Bom Pastor que é porventura o melhor exemplo de miscigenação simbólica entre as duas culturas. Na ourivesaria sacra o túmulo de S. Francisco Xavier no Bom Jesus de Velha Goa merece particular destaque dado o tratamento filigranado das superfícies.
O mobiliário Indo-Português assumiu em todo o séc.XVII, o estatuto de mobiliário de luxo, visto que as peças vindas do oriente não eram abrangidas pelas leis de austeridade Filipinas, o que tornou estas peças de particular fascínio em que salientaria pela riqueza alcançada, os Contadores Indo-Portugueses.
O efeito aculturador na relação Oriente/Ocidente também produziu efeitos na arte portuguesa com a tentativa de imitar os produtos importados e que se reflecte na tapeçaria de Arraiolos e nas magnificas colchas de Castelo Branco, ou ainda nas faianças dos séculos XVII e 1ª metade do XVIII.

4 comentários:

CresceNet disse...

Oi, achei seu blog pelo google está bem interessante gostei desse post. Gostaria de falar sobre o CresceNet. O CresceNet é um provedor de internet discada que remunera seus usuários pelo tempo conectado. Exatamente isso que você leu, estão pagando para você conectar. O provedor paga 20 centavos por hora de conexão discada com ligação local para mais de 2100 cidades do Brasil. O CresceNet tem um acelerador de conexão, que deixa sua conexão até 10 vezes mais rápida. Quem utiliza banda larga pode lucrar também, basta se cadastrar no CresceNet e quando for dormir conectar por discada, é possível pagar a ADSL só com o dinheiro da discada. Nos horários de minuto único o gasto com telefone é mínimo e a remuneração do CresceNet generosa. Se você quiser linkar o Cresce.Net(www.provedorcrescenet.com) no seu blog eu ficaria agradecido, até mais e sucesso. If is possible add the CresceNet(www.provedorcrescenet.com) in your blogroll, I thank. Good bye friend.

Anónimo disse...

o que eu estava procurando, obrigado

Lesma Morta disse...

De nada. Se necessitar de mais elementos diga

Anónimo disse...

Quais os materias utilizados?